Olá amigos, cheguei!

Não eram seis horas quando saí de casa. Quando voltei a olhar para o relógio já eram quase sete. Paniquei!!!

Trânsito, rent-a-car, stress e eis que o cartão do pagamento não passou! Tive de fazer sorrisinhos ao moço do balcão para poder correr para o “shuttle” e ir para LAX. Mas o shuttle arrancou sem nós. Fomos no seguinte.

Já passava das oito quando cheguei a LAX. Estava à pinha, filas em todo o lado e tivemos que embarcar no gate de emergência que andava ainda mais devagar do que o normal…

Eram quase nove e eu e o Pedro corríamos que nem um desvairados pelo corredor para o “one-o-one”, quase deixando cair as calças que entretanto tinham ficado sem cinto do check in.

Paniquei outra vez e desejei como nunca que a minha mala tivesse rodinhas e menos uns 5 kilos de peso.

Já passava das nove quando finalmente entrámos no avião.

Entre filmes, conversas, séries, música, refeições, wc, vira à equerda, vira para a direita, cruza as pernas, ajeita a mantinha, eis que chegámos a Londres.

Não sei explicar a sensação de vir de uma Califórnia “GREAT” e solarenga onde todas as caras nos sorriem com um “Hi!” aberto e rasgado e entrar numa Londres sizuda e friorenta a transbordar de arrogância e a azul-de-tailleur…  “Glass of water?! (com accent americano) Oh, WA-TER, you meant?”. Enfim… À entrada do avião já só ouvíamos português e começámos a cair na realidade. Deixámos o “Thank you” para trás que deu lugar ao “Obrigada”.

Aquele avião parecia o jardim-escola… uma série de alunos tinham ido algures com os seus “stôres”, um pai ralhava com os seus filhos “não faças isso! Anda cá!” e outros dois casais comentavam entre si a emoção de quase ter perdido o shuttle por causa de uma meia-de-leite, LOL. Eu e o Pedro olhávamos para o relógio a cada 5 minutos contando a decrescente…

Eram 10 horas e o meu organismo ressentia-se. Não das horas há que não dormia, mas da ansiedade de chegar a Portugal. Eram dez e trinta e picos quando aterrámos. Já passava das 11 quando cheguei à rampa de saída.

[ouvem-se aplausos e vêem-se braços a esbracejar]

Carlaaaaaaaaaaaaaaaaaaa, eahhhhhhhh, clap, clap, clap.

Uma comitiva de recepção digna para receber uma estrela de Hollywood. Mas afinal era só eu, LOL. Não sei como é que a Comunicação Social perdeu isto!!! Até saltaram a vedação para um primeiro abraço e alguns tentavam furar a fila de “alunos” que entretanto tinha impedido o caminho. Ao chegar lá a baixo foi hora de “MOCHE À CARLAAAAAAAAAA”. Ahahahah

Amigos, não tenho palavras!!! :’) Foi disto que eu senti falta. Um OBRIGADA do tamanho do mundo, não imaginam o quão importante foi para mim… Aliás, o quão importante são para mim. Obrigada!

PS – Só para que conste, exigi um expresso antes de sair do aeroporto!

Nota: Lamentamos mas este momento não teve registo fotográfico, por isso o melhor que posso fazer é deixar alguns tirados durante a viagem.. E termino com uma mensagem: Now it’s “time for bigger thinking“.

Anúncios