O pôr do sol na Califórnia

Desde que cheguei à Califórnia que me interrogava a cada dia sobre as cores do pôr-do-sol. Na minha cabeça (pouco familiar com as questões meteorológicas), tentava encontrar uma explicação racional para os tons cor-de-rosa e violeta que via no horizonte. Era algo que me inquietava terminantemente e cheguei até a perder a vergonha e perguntar aos americanos qual a explicação para as cores com que o sol se despedia de L.A.

Ninguém nunca me soube satisfazer a curiosidade, então resolvi perguntar ao Google. Hoje, sinto-me particularmente mais feliz por ter uma resposta a esta minha inquietação. Comecemos pelo princípio…

Os “sunsets” na Califórnia são estupendos. Gostava de saber descrever-vos a magia daqueles tons rosados e violeta que só depois de ter visto com os meus próprios olhos acreditei serem reais. Antes disso, desacreditava aquelas cores que apareciam nas toalhas de praia e nos porta-chaves de souvenir Californiano. “Fantasia”, pensava eu, pensando que era mais um dos delírios americanos a exagerarem a realidade…

Mas não. Aquelas cores são mesmo assim! E porquê?

Bem, depois de ter lido um uns artigos e diferentes explicações sobre o fenómeno, descobri que são vários os factores que poderão contribuir para que o sol se ponha em “cor-de-rosa”.

Em primeiro lugar, importa dizer que o pôr- e o nascer-do-sol ganham outra cor porque a luz tem de atravessar uma camada de atmosfera maior do que quando o sol está a pique relativamente à Terra. Não só a camada atmosférica como tudo o que a compõe influenciam as cores que vemos. Neste caso, a constituição geológica da Califórnia cria influência por ser uma terra rica em ferro e minerais que provocam o reflexo da luz. E porque a Califórnia tem também forte actividade sísmica e vulcânica, contém mais partículas, gases e poeiras no ar. Isto a somar à densa poluição faz com que a luz tome uma aparência rosada em vez de avermelhada (porque o cor-de-rosa é a cor do espectro visível que fica entre o vermelho e o magenta, em oposição ao azul que é a cor com o comprimento de onda mais curto e que, por isso, chega mais rápido “à Terra”. Por isso vemos o céu azul).

Em poucas palavras acho que é basicamente isto que acontece, mas digo-vos, seja por obra Divina, da Natureza, do Homem ou do Génio da Lâmpada, vale bem a pena vir à Califónia só para poder ver um pôr-do-sol tão estupendo…

Anúncios